Camarão Caboclo – Oficina do Sabor

Encravada nas históricas ladeiras de Olinda, ao lado da igreja do Amparo, encontra-se uma casa antiga, restaurada e transformada no badalado restaurante Oficina do Sabor, do chef-celebridade César Santos, especialista em combinar carnes e crustáceos com as frutas da terra.

Detalhes da decoração do Oficina do Sabor

Detalhes da decoração do Oficina do Sabor

Da decoração bem brasileira do lugar, destacam-se as paredes multicoloridas, todas pintadas com tons fortes e recheadas com a grande coleção de pratos da Boa Lembrança do chef.

Coleção de Pratos da Boa Lembrança do Oficina do Sabor

Coleção de Pratos da Boa Lembrança do Oficina do Sabor

A cozinha fica localizada bem ao centro do imóvel. Dos vários ambientes em que os clientes podem apreciar suas delícias, o mais concorrido é, sem dúvida, a varanda, de onde se tem uma bela visão da antiga capital de Pernambuco. Seguindo a decoração do restante dos cômodos, ali as toalhas floridas, o teto decorado com garrafas de vidro e as inúmeras esculturas com motivos nordestino contrastam com a brancura das faces dos clientes americanos e europeus, sempre presentes para degustar a culinária regional.

Detalhes do Oficina do Sabor

Detalhes do Oficina do Sabor

Para se ter uma boa ideia da variedade dos sabores servidos, a dica é não dispensar o couvert, composto de  pasta de berinjela, chutney de jerimum com maçã, caldinho do dia (no meu caso, de camarão), queijo coalho, terrine de frango, torrada, manteiga e do delicioso bolinho de rabada, um verdadeiro mimo do chef.

Prato de entrada do Oficina do Sabor

Couvert / Prato de entrada indispensável do Oficina do Sabor

O prato da Boa Lembrança/2013 é o “Camarão Caboclo”. Este é 15º prato da boa lembrança deste restaurante, associado desde os anos 90.

O prato da boa lembrança do Oficina do Sabor

O prato da boa lembrança do Oficina do Sabor

 

Como não poderia deixar de ser, a receita une o crustáceo às frutas e, desta vez, as escolhidas foram o jerimum e a manga. Confesso que, em princípio, não fiquei muito animada em provar, pois não gosto de comida agridoce. Todavia, o mix entre manga e jerimum acabou resultando em um molho de paladar bastante sutil, que combinou perfeitamente com camarão. Para acompanhar, cuscuz de milho e cuscuz de mandioca, todos servidos em recipientes separados, em forma de gota. Um chame.

Camarão Caboclo - Oficina do Sabor

Camarão Caboclo – Oficina do Sabor

Assim como na entrada, na sobremesa o objetivo  também foi provar um pouco dos vários pratos oferecidos. Escolhemos, então, a opção de mini compotas de doces caseiros. Trata-se de quatro compotas com doces de jerimum, mamão, banana e laranja, servidos geladinhos e acompanhados de creme de leite. Todos gostosos, mas o de banana é realmente muito bom!

Os deliciosos doces do Oficina do Sabor

Os deliciosos doces do Oficina do Sabor

Portanto, se você já está de malas prontas para o carnaval de Olinda, não perca a oportunidade de fazer como os estrangeiros e vá conhecer os sabores da Oficina de César Santos. De quebra, ainda  voltará com mais um bonito pratinho para sua coleção.

Por Liz Liberato.

Mignon em Crosta de Prima Donna – Nez Bistrô

Olá, Pessoal!

Este é o último post da nossa série sobre os pratos da Boa Lembrança de Pernambuco!

E entre as maravilhas históricas da capital pernambucana Recife, não poderíamos nos esquecer de citar o restaurante Nez Bistrô. Ele fica localizado na Praça de “Casa Forte”, em um casarão histórico do século XVII, onde havia uma senzala do Engenho Casa Forte. Foi fundado em 2007 e já conta com uma filial na praia de Boa Viagem – isso mostra como o restaurante é conceituado e por isso faz parte da Associação dos Restaurantes da Boa Lembrança.

Ele é composto de dois agradáveis ambientes muito bem decorados. A fachada é muito interessante, lembra realmente um “bistrozinho”, com banquinhos e mesinha bistrô para aconchegar os clientes. Como estávamos passeando por Recife, não fizemos reserva e chegamos ao restaurante às 18:00 horas, horário que o restaurante deveria abrir segundo o site.

Nez Bistrô

Nez Bistrô

Notamos que os estabelecimentos em Recife não se preocupam muito com o horário de abertura. Aconteceu um atraso, assim como no Sushi Yoshi. Mas o atraso do Nez foi bem menor e como estávamos a passeio não nos prejudicou em nada. E o jantar foi muito agradável.

O restaurante tem capacidade para atender 85 clientes. Sua ambientação mescla tijolos aparentes e lajotas da época do casario, com quadros do artista plástico
pernambucano Romero de Andrade Lima (que retratam temas relacionados ao vinho) e uma coleção de pequenos espelhos. Um lugar muito aconchegante.

Desde o Maître até o garçon o atendimento é nota mil. Como sua especialidade é comida francesa, não poderia faltar uma bela adega com variados cardápios de ótimos vinhos. Desde 2013 a cozinha do Nez está sob o comando chef Bruno Didier, que possui vasta experiência internacioanl. Entre os clássicos do cardápio da casa estão entradas como o Gratin de Prima Donna (nacos de queijo Prima Donna com uma leve crosta de açúcar caramelado queimado no maçarico) e o Mil Folhas de Mignon (lâminas de filé mignon intercaladas com shitakes grelhados e molho due de mostarda).

Mignon em Crosta de Prima Donna – Nez Bistrô

Mignon em Crosta de Prima Donna – Nez Bistrô

E como prato principal, claro que pedimos o prato da boa lembrança: o Mignon em Crosta de Prima Donna. Um belo filé tornedor grelhado no azeite com uma crosta do queijo Prima Donna e servido com um maravilhoso risoto. Um prato maravilhoso para quem é amante de carne vermelha.

Mignon em Crosta de Prima Donna

Mignon em Crosta de Prima Donna

Prima Donna é um queijo francês maturado, assim como os melhores vinhos, até o ponto máximo do sabor. Não tem um determinado tempo para maturar e sim até atingir uma determinada composição de aromas e sabores. Por conta disso o queijo Prima Donna é considerado uma verdadeira iguaria.

Queijo Prima Donna

Queijo Prima Donna

Depois dessa maravilha gastronômica não poderíamos deixar de provar uma das belas sobremesas da casa.

A sobremesa do Nez Bistrô

A sobremesa do Nez Bistrô

Conhecendo pessoalmente o Nez Bistrô e depois de tanto pesquisar sobre o restaurante não tenho dúvidas de que o Mignon em Crosta de Prima Donna é somente uma das maravilhas que compõe o cardápio do chef Bruno Didier.

Indo a Recife não deixe de desfrutar das maravilhas gastronômicas que o Nez Bristrô pode lhe proporcionar.

Costelinha de Porco cozida no vácuo – Mingus

Seguimos com nossas avaliações da cidade de Recife, uma das capitais nordestinas que vem se desenvolvendo de forma notável. É a cidade com mais oportunidades de emprego nas áreas de Tecnologia da Informação do nordeste. Tem forte apelo cultural em diversas áreas como a música, a arte e criações. Isso pode ser notado pelo belo centro histórico da cidade que reúne museus, fortes, igrejas e um tradicional mercado. Os pernambucanos são pessoas muito simpáticas e dão muito valor à sua cultura. Sem falar no tradicional carnaval, que leva milhares de pessoas às ruas de Recife e Olinda, para dançar o tradicional Frevo.

E além de toda a cultura, como já falamos, Recife é a capital da associação da Boa Lembrança. Ficamos felizes em receber o convite para conhecer a sede da associação, mas já tínhamos retornado para Minas. Fica para uma próxima vez!

O restaurante que vamos avaliar hoje é o charmoso Mingus, que fica localizado bem próximo ao primeiro jardim da belíssima praia de Boa Viagem. Ele fica em uma casa bastante interessante por fora. Quando fomos, parecia que o estabelecimento estava fechado, pois nada indicava que ele estava em funcionamento. Chegamos para o almoço de Domingo e não tínhamos feito reserva. Isso não foi problema porque o restaurante não estava cheio.

Interior do restaurante Mingus

Interior do restaurante Mingus

Fomos muito bem recepcionados e levados até a mesa. O salão é pequeno e aconchegante, com cerca de 15 mesas. O ambiente é muito agradável e nos faz relembrar os tempos do Jazz, com o painel enorme com o retrato de grandes compositores como Charles Mingus, Chet Baker, Astor Piazzolla, Tom Jobim, entre outros. Como pode ser notado, o nome do restaurante é uma homenagem ao Charles Mingus.

No salão, existe um lindo piano de cauda que naquele momento não estava sendo usado. Tem uma adega muito interessante, parece um freezer de açougue. Gostei muito desse modelo de adega, combinou com o ambiente. O restaurante gosta de deixar claro aos seus clientes e funcionários a missão e os valores da empresa. Algo incomum, mas que agrada algumas pessoas.

O atendimento é nota mil e menu é escolhido num tablet. É inovador e muito funcional. O prato escolhido foi o Costelinha de Porco cozida no vácuo, claro, pois é o prato da boa lembrança. Isto o torna diferente de todos os restaurantes de Pernambuco, que não usam o porco e usam em sua maioria os frutos do mar como base principal do prato.

O inovador menu do Mingus, que está em um tablet

O inovador menu do Mingus, que está em um tablet

Eu, como uma boa mineira, adoro costelinha de porco. Me senti no paraíso depois de sete dias comendo pescados. O prato traz ripas de costelinhas cozidas com molho barbecue e nhoque de madioquinha (também chamada de batata salsa). Uma verdadeira delicia este nhoque. Extremamente suave! E as costelinhas são muito macias.

Costelinha de Porco cozida no vácuo  - Mingus

Costelinha de Porco cozida no vácuo – Mingus

Confesso que fiquei com vontade de pegar os ossinhos com a mão e comer como um “ogro” (vamos ser francos, costelinhas são feitas para se comer com as mãos!). Mas, é claro, o requinte do restaurante não deixa os clientes se sentirem tão à vontade e eu deixei o impulso selvagem passar. Mesmo assim, foi muito bom conhecer esse maravilhoso ambiente que faz uma mistura de música e gastronomia muito bem feitas.

Parabéns ao responsável, Nicolau Sultanum, e aos chefes Roberto Manuel e Luis Rogério Costa pelo excelente trabalho realizado no restaurante Mingus. Com certeza voltaremos em outra ocasião!